Category Archives: Brazil

An image, a favela, and my research

I won the City University’s Images of Research award with an image that represented my PhD research.

The photo shows one of the gigantic sculptures by Projeto Morrinho, an art project that started out from Rio de Janeiro’s favelas. It consists of – literally – a mountain of bricks colourfully painted in a way to represent a favela community, with its tiny streets, and colourful dwellings up on the hill. It carries positive messages and small figurines, which give a realist but with a touch of fun and grace.

I had captured the image while on a visit to the Museum of Art of Rio de Janeiro, in 2016, then recently refurbished.

I thought this image illustrated my research because it had everything I looked at in media producers from Brazil’s periphery: It showed improvisation, community-spirit, and the right of self-representation, which is a new possibility for Brazil’s disadvantaged populations.

The way that Projeto Morrinho has proudly assembled the installation, which showed one of the region’s which Brazilians had been most ashamed of, either because of its poverty or precariousness, explains how the perception of these communities has changed, within it and outside. They communicated not only hope but a will to confront reality with joy, strength and creativity.

Advertisements

Book review – British Representations of Latin America, Luz Elena Ramirez

800px-Page_187_(The_Lost_World,_1912)While not officially part of the British Empire, interactions between Britain and Latin America have existed in reports, literary accounts, and detail-rich descriptions. Reading a variety of 19th century British writers, we find similarities in reports from many distinct countries that constitute what we call by Latin America; countries as distinct from each other as Mexico and Uruguay, Argentina and Panama, Brazil and Colombia. In British Representations of Latin America (University of Florida Press), we find an interesting model of sociological analysis of these accounts, without resorting to the traditional post-colonial, capitalist imperialism seen when looking at transatlantic relations.

Ramirez starts by reviewing many of the shortcomings of these postcolonial, imperialism theories to explain why British interpretations of Latin America seem so unusual. On the one hand, capitalism theories have focused on trade in colonial times, much embedded in Marxism values, which fail to see implications that lie beyond the much quoted “dependence” theory. For example, these theories would forget the role of British commerce had for the struggle for the region’s independence, which comes down as a relatively positive outcome, let alone all the collaborations that foreign traders received from natives, and local elites.

41mHwueHBSL._SX314_BO1,204,203,200_On the postcolonial side, Ramirez sees writers such as Césaire as “romanticizing” Latin America, as much as the “dependence” theory did. Yet, here authors have oversimplified the local context, where “no conflict” existed before the European conquest. Said’s Orientalism is reviewed more positively in that sense, particularly because it fits in very well to understand British colonial narratives. Despite British presence in Latin America appears as less aggressive than in India, for example, though “more risk-sensitive”, Said’s inclination to portray power lays a good foundation for this study, especially in what touches the Foucauldian articulations of power through the discourse.

We are introduced to what Ramirez calls as the Americanist discourse, the colonial view developed by the British on Latin America. Following the next chapters, we find key case studies. Ralegh’s Discovery of Guiana, Conrad’s Nostromo, Conan Doyle’s The Lost World, Lowrey’s Under the Volcano, and Greene’s work on Mexico, Argentina and Panama. They will subside a discussion that brings about more than “cultural bearing”, that is, despite being novels, some of them ficcional reports, they are also embedded in the complexity of commercial relations between Britain and Latin America of the time. It is not about escaping the image of the “barbarian vs the civilized”, but these texts will reveal much of the post-imperial mood in Britain as the Empire starts its decline at the late 19th century.

We see, for instance, the extent to which Ralegh’s and Schomburgk’s travels across Guiana have brought much of its enthusiasm from the Armada victory against the Spanish. Yet, how Schomburgk’s search for the place of British Empire amid the “savages” of the Amazon. Both are accounts that end up being more about Britain than about Latin America. Not much distant from this, Conrad’s characters have mirrored the late development of the Andean region, but also invites the inevitable “cynicism” with which he sees the dubious role of foreigners in the country’s stabilization. Doyle’s regard to Brazil and the Amazon bears ties with Darwin’s evolution theory and its naturalization of colonizing practices (“beating the natives”, p. 109), but witnesses much of the problematic adaptation of foreigners to the new tropical reality.

The most interesting part of Ramirez’s detailed exploration dwells on the links with metropolitan publications, namely The Review of Reviews, the London-based tabloid. Plenty of satirical views of Britons in the region came out in the tabloid, some of which mirroring prejudice and humor. Not less sensationalist, Conrad’s Heart of Darkness and Doyle’s The Lost Word stressed the consequences of the British man’s expeditions around the world; in Latin America this gets supernatural tones of shock with nature, the dangers of bureaucracy and corruption among the barbarians. Greene’s The Lawless Roads adds “irritation and boredom” to it, as it quotes the “mañana, mañana” jargon (tomorrow things will be ready) (p. 151).

The merit in critically engaging with such Americanist narratives is that of recognizing what lies behind the literary interpretations from the Empire, whether on Asia and Africa, but which, on Latin America, assume features of its own. It is a “literary conversation” on key themes such as development and trade (p. 169), but which imports folklore and mysticism, unveiling insecurity of Britain’s attempts to engage with the wider world on a non-extractive, classic colonial basis (at least directly). There was a need for the country to launch such expeditions, and much of the disillusion appears in the way Latin America is portrayed as the “disappointing” endeavor, the failing region in the extent of risky commercial partner, which is an impression that stretches over other subjects.

At one level, it is a discourse that fits well in a context of Britain intellectual expansionism to readers back home, partly based on academic interest, as seen in the example in Darwin’s goals of collecting species from around the world, but partly mundane as a pub chat. At another level, that effort is articulated within a new modernist look to the outside, as writers do not get rid of old “civilizing” ideas, which results in their own detachment and poor self-assessment of what “being foreigner” means, a dismay to the outer world that may last to this day.

At the end, Ramirez aims to continue the conversation by citing films that follow this Americanist orientation in contemporary times. And yet, there lies a missed opportunity in this book. Ramirez falls short of developing about Americanism in the aftermath of the British Empire, which could appear interesting to discuss in a time of declining British presence in Latin America.

To what extent could the Americanist discourse reside in Britain’s loss of influence, if not, isolation, in contemporary affairs? How could this framework serve a more ambitious narrative that leads, if not only to indifference, to a certain ignorance? The look at the Americanist narratives as a framework on its own versus its post-colonial implications could also deserve further reviews as the post-structuralism and the preoccupation with language loses popularity in academia, opening space to the political correct.

In any case, British Representations of Latin America achieves a good deal of empirical research regarding an often-dismissed relationship, as it comes as an alternative way of looking at colonial mind set. It confirms neither the hegemonic British look of authority and knowledge, nor the victimizing position that Latin America may assume in post-colonial studies, as hegemonic relations carry far more complexity.

Pensando em favelas como fundações: O caso das Community Land Trusts

Quando observamos a realidade de algumas favelas cariocas, é normal nos renderemos aos problemas. Favelas que sofrem incêndios; outras são palco para a violência urbana. Além do enorme sofrimento impingido aos cidadãos que habitam essas comunidades, há também o problema de custo para o Estado, e a dificuldade em manter novos modelos de gestão, como no caso da UPP para a segurança, que hoje passa por crises.

A visão que cresce a cada dia, no Brasil e internacionalmente, é que a favela, um tipo de comunidade tão tipicamente brasileira, deve ser aprimorada e gerida não como qualquer bairro, mas levando em consideração sua história e estrutura habitacional.

O site Rio on Watch publicou recentemente um estudo sobre o conceito de Community Land Trusts (CLTs), pesando os prós e contras deste modelo para o caso das favelas. Eu pus aqui algumas informações básicas que ajudam a imaginar a implementação deste modelo no Brasil.

Doações, voluntariado e autogestão

As CLTs nasceram de uma ideia do guru e ativista indiano Vinova Bhave. Líder de um movimento de liberação chamado Bhoodan, Bhave propôs, ainda na primeira metade do século XX, conseguir terrenos por meio de doação, para que se construíssem assentamentos destinados a moradia popular, os Gramdans.

 Nos Estados Unidos, a ideia de Bhave inspirou o também ativista Robert Swann (1918-2003) a importar o modelo, levando este a construir pequenos lotes na costa leste dos EUA.

Foi, entretanto, nas comunidades negras do sul, ameaçadas de despejo e perseguição racial, que a possibilidade de comunidades se unirem para comprar o próprio terreno de suas casas (não em unidades) que o modelo tornou-se replicável. A comunidade deixou de ser um piloto para se transformar em uma entidade legal.

Desde então, pertencer a uma CLT quer dizer unir-se a outros moradores para, de posse de um terreno, construir casas a preços módicos, seja por meio de mão de obra voluntária, ou por meio de parcerias com empresas de construção. A associação depois gere a comunidade, formando-se um tipo de “condomínio”. Também por meio de trabalho voluntário, é possível livrar-se de despesas e taxas mensais de manutenção do seu espaço. Alguns participantes, aliás, especialmente nos EUA e Europa, têm dado depoimentos positivos sobre a experiência de “operar” sua própria comunidade.

CLT na Flórida

Hoje nos Estados Unidos existem cerca de 240 associações que conseguiram se firmar, a maior delas detendo mais de 2000 casas, no estado do Vermont. No Reino Unido, o número está próximo de 170 unidades implementadas.

Embora a base das CLTs esteja muito ligada ao meio rural e à “terra”- como podemos ver no vídeo abaixo – sua aplicação tem sido pensada como uma alternativa urbana, especialmente contra a gentrificação. Neste caso, os mesmos grupos adquirem terrenos menores, mas o princípio da autogestão permanece o mesmo. No Reino Unido, o modelo prosperou porque na última década, grande fundações como a Carnegie Foundation deram ajudas substanciais para que comunidades pudessem adquirir grandes lotes.

https://www.youtube.com/watch?v=kKK3DWVxkps

A CLT network é uma organização sem fins lucrativos que organiza grupos interessados em todo o Reino Unido, mas iniciativas semelhantes têm se multiplicado em toda a Europa. Na Bélgica, outro exemplo de sucesso, alguns projetos agora começam a ser apoiados pelo governo. Na França, o parlamento entrou na discussão desse modelo para viabilizar habitações para famílias de baixa renda.

Modelo jurídicos

Voltando à questão da favela, o relatório do portal Rio on Watch deixa claro que Community Land Trusts são oportunidades a serem investigadas, especialmente em áreas em que há bastante interesse do mercado. A favela da Rocinha por exemplo, vista como uma opção ideal para um potencial setor hoteleiro, reuniria requisitos básicos para a implementação de uma CLT. O acesso ao terreno pelos moradores, por outro lado, dificuldades existem devido a uma possível inflação no preço no momento da vida para uma única entidade. Haveria de se ter algum suporte do governo.

Há também outras questões pendentes. Não só por este ser um experimento incipiente, até agora só testado em sociedades bem diferentes do que a brasileira, mas também no que diz respeito a aspectos legal.

Em primeiro lugar, como seria traduzido o que chamamos de trust? No Brasil, seria certamente algo como fundação, mas que poderia também ser chamado de “associação de moradores”. “Organização Social” (OS) poderia por outro lado ser um modelo ideal como entidade jurídica, embora seja mais usada para gerir museus e entidades culturais.

Assim como o Kibbutz israelense, outro modelo de sucesso, as CLTs também são resultado de uma forte coesão social. No caso israelense, que difere em vários outros aspectos das CLT americanas e europeias, o objetivo final é facilitar a moradia conjunta, muito guiado pela imigração massiva ao país, convivência essa que é ajudada pela religião, e por uma população agricultora.

Realidades

No caso das favelas e outras comunidades periféricas do Brasil, é impossível prever se haveria uma unidade forte que faça diferenças lideranças entrarem e se manterem num regime de sociedade que compartilhe os mesmos recursos. Por exemplo, haveria dúvidas sobre o desafio de fazer 50.000 pessoas “donas” de um mesmo terreno, ou seja, em fazê-las concordarem nos mesmos objetivos, e ainda investirem o seu tempo e recursos na construção e manutenção de áreas comuns.

Conhecendo mais de perto algumas CLTs implementadas em subúrbios de Londres, por exemplo, há um projeto aberto próximo ao Parque Olímpico, no leste da cidade. Há cerca de 23 casas construídas e outras cem planejadas.

Em todo o processo, moradores me contaram que foi necessário um comitê gestor que tomasse decisões como a quantidade de investimentos, aprovasse gastos para reparos. O mais difícil, segundo eles, foi determinar os próximos passos pensando em toda a comunidade, inclusive o de enfrentar a especulação imobiliária que inflou os preços de imóveis na cidade toda, o que poderia – e ainda pode – influenciar os participantes para que se desfizessem dos seus imóveis.

No Brasil, mais próximos deste modelo de gestão centralizada estão os condomínios fechados. Por mais que hoje estes “bairros” sejam antíteses das favelas em vários sentidos, além de demarcadores para classes sociais mais abastadas, como é Alphaville, em São Paulo, este ainda assim é um modelo de bairro planejado, que poderia servir para outros propósitos e públicos.

Tempo de soluções

Num futuro não muito distante, comunidades centenárias e cheias de histórias como as favelas, poderiam formar-se como uma única unidade administrativa? No caso de a resposta ser sim, esta “organização” poderia ser fundada a partir do atual conceito de lideranças comunitárias? Estaria a população disposta e madura para compartilhar tais decisões? Como a relação com agentes externos, como a polícia ou serviços urbanos funcionariam em território privado?

Essas perguntas devem ser respondidas também no sentido de, sendo ou não uma CLT, não isolar-se ainda mais as favelas. Moradores têm demonstrado cada vez mais vontade de se integrar à cidade, como no livro da Beatriz Jaguaribe sobre o Rio de Janeiro. Muitos gostariam de se ver morando em um bairro como outro qualquer. A desigualdade acentuada pela crise econômica, os desafios de gestão, e a baixa prioridade recebida por diferente governos pedem, por outro lado, uma solução harmonizada para favelas e periferias, mas que não criem novos guetos.

Modelos no mundo estão começando a ser testados, como o das habitações customizáveis do Chile, mas tais saídas ainda estão longe de serem unanimidades. Também há desafios em como se “gerir” comunidades e, aliás, será que elas precisam de gestão? Será que apenas sanando as desigualdades estruturais não seria o bastante?

A solução para favela, assim como outras comunidades cujos direitos fundamentais são sistematicamente negados pelo Estado, passa inevitavelmente por novas alternativas de organização, incluindo a questão da tomada de decisão como um grupo. As CLTs podem inspirar uma conversa sobre como responder à indiferença oficial, o que depende cada vez mais da maneira na qual seus habitantes se relacionam e, assim, se fortalecem.

Leia mais:

Associação de CLTs do Reio Unido (em inglês)

Entrevista com uma moradora de um CLT no Reino Unido (em inglês)

Relatório completo do site Rio on Watch